[Thecnica Sistemas de Treinamento] Retrofit e sustentabilidade, a dupla que veio para ficar 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Resenhas   Anuncie   Quer colaborar?  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre
Artigo mais recente (veja mais 4 artigos nesta área)

Retrofit e sustentabilidade, a dupla que veio para ficar

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos equipe

Adotar práticas sustentáveis ao longo de todo o ciclo de vida do projeto (nos estágios pré-projeto e pós-entrega), de modo a atender as três dimensões da sustentabilidade e agregar valor à qualidade de vida dos indivíduos e comunidades, além de integrar os diferentes estágios e profissões na equipe do projeto. As práticas vão da seleção do material aos métodos de construção, incluindo a escolha pelas especificações dos mesmos, assim como do sistema de engenharia e equipamentos utilizados. O projeto sustentável deve ser pensado como parte integrante de um planejamento urbano abrangente, procurando responder e interagir com uma infraestrutura e serviços urbanos sustentáveis.

Antes de mais nada, acho importante diferenciar retrofit de reforma e restauração. Uma restauração pretende levar um edifício deteriorado às mesmas formas e materiais que já teve em algum ponto do passado, geralmente na época de sua construção ou de uma época áurea, mas sem alterar seus equipamentos ou usos. A reforma, por sua vez, visa substituir partes do edifício que precisem de reparos ou de atualização, mas sem qualquer preocupação quanto ao passado da edificação, podendo acrescentar ou retirar áreas conforme a utilização futura do edifício. Já o retrofit tem um pouco da reforma e da restauração, ou seja, um edifício antigo é reequipado e restaurado, e em geral seu uso vai mudar. Por exemplo, um edifício de apartamentos via hotel, ou então uma residência vira loja e assim por diante. Nem sempre a mudança de função está presente, sendo que o retrofit pode se resumir à troca e modernização dos equipamentos de um edifício, como ar condicionado, elevadores, sistema de proteção à incêndio e escadas rolantes.

Em toda a história da humanidade sempre se construiu e também se fez reformas e readequações de edifícios, portanto podemos dizer que o retrofit sempre esteve presente. No entanto, o termo “retrofit” surgiu aproximadamente nos anos 90, quando a readequação de edifícios começou a ganhar este rótulo. A palavra “retrofit” vem da junção das palavras “retro”, que em latim significa “para trás”, e do inglês “fit”, que significa adaptação ou ajuste, ou seja, significa uma reequipagem com atenção ao passado. O conceito associou-se, originalmente, à atualização de equipamentos e sistemas obsoletos, para que pudessem ser reaproveitados. Adaptando-se esta idéia para o ramo do projeto e construção, o retrofit designa a operação de modernizar edificações deterioradas permitindo assim sua reinserção num processo normal de uso. Na Europa e nos Estados unidos o processo de modernização dentro do conceito de retrofit vem acontecendo a partir da década de 1990, e no Brasil também vendo sendo utilizado um pouco mais tarde. Dependendo da região, contudo, o retrofit é usado com intenções ligeiramente diferentes. Na Europa, por exemplo, a intenção básica por trás do retrofit parece ser manutenção do valor histórico e simbólico de edifícios e até mesmo de bairros inteiros, enquanto que nos Estados Unidos a questão maior por trás do retrofit é diminuir o tempo necessário para recolocar uma edificação em condições de uso mais modernos e eficientes. Um exemplo típico deste uso é a “remodelação” de hotéis, que é feito com freqüência e que é usado, inclusive, como estratégia mercadológica para atrair mais clientes. No Brasil parece haver uma junção de preservação de valores históricos com a garantia do aproveitamento do terreno junto com a possibilidade de utilizar incentivos fiscais (através da Lei Rouanet) para dar um ar de preocupação com causas sociais e ecológicas.

Vantagens do retrofit na construção civil e arquitetura

A vantagem do retrofit é o reaproveitamento de edificações, principalmente as que têm valor histórico ou sentimental para uma determinada coletividade. Nem sempre o retrofit é a opção mais barata, muitas vezes sairia mais barato derrubar um prédio e construir um novo, a partir do terreno limpo. No entanto, esta opção demanda mais tempo, pois é preciso demolir o prédio antigo e começar uma obra nova a partir das fundações, o que tem um grande impacto no meio urbano, pois é preciso transportar todo o entulho retirado da demolição e depois transportar um peso equivalente em materiais novos, que farão parte da nova construção. Existe também a agressão ao meio ambiente, tanto para absorver o entulho quanto para fornecer os novos materiais do edifício novo. Em outras palavras, o retrofit é amigo tanto do tecido urbano quando da ecologia como um todo. As empresas e organizações que investem em retrofit ganham, portanto, no menor tempo para reaproveitar edificações, ao mesmo tempo em que geram para si uma imagem positiva junto à coletividade por terem optado por agredir menos o meio ambiente e terem colaborado para manter um bem cultural.

Onde e como o retrofit pode empregado

Obviamente, existem edifícios que ficaram tão deteriorados que sua restauração estaria mais ligado à arqueologia do que à arquitetura propriamente dita. Considerando-se, portanto, edifícios que tenham pelo menos sua estrutura preservada ou restaurável, podemos dizer que o retrofit pode ser empregado à vontade. Mas devemos, novamente diferenciar "retrofit" de "reforma" ou "restauração". Uma restauração vai simplesmente fazer os reparos necessários para que uma edificação volte à sua forma original, tal como foi idealizada e construída originalmente, sem grandes modificações quanto às técnicas construtivas ou à readequação dos ambientes. A reforma pode ser também uma restauração, mas geralmente abrange modificações na planta e no equipamentos dos ambientes, mas sem grandes mudanças quanto ao uso do prédio e seus locais.

O retrofit abrange tudo isto e mais, porque pressupõe não só um restauro, mas também e principalmente o reequipamento do prédio, adicionando itens não presentes no projeto original como ar condicionado, elevadores, escadas rolantes, sanitários ou cozinhas. E, o item mais importante, um retrofit pressupõe que o edifício vai mudar de função. Um prédio de escritórios, por exemplo, pode ser transformando em um hotel, uma velha fábrica pode virar um shopping center e uma residência pode vir a ser uma loja, museu ou centro cultural.

Reforma, restauração e retrofit: qual é a diferença?

Os limites entre reforma, restauração e retrofit não são perfeitamente delimitados e em toda nossa história recente estas três técnicas vem sendo utilizadas. O retrofit, em especial, só ganhou este nome nas últimas 2 décadas, mas existem exemplos anteriores a isto que podem ser caracterizados como sendo um retrofit. O próprio prédio onde está a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) pode ser um exemplo de retrofit já nos anos 40. O prédio da tradicional família Penteado foi doado em 1938 com o intuito declarado de montar ali uma faculdade de arquitetura, sendo que sua mudança de uso de residência para escola demorou quase 10 anos. De lá para cá muitos edifícios vêm sendo restaurados, reformados e readaptados, e antes disto também o retrofit já era praticado, mas não com este nome e certamente não com a mesma preocupação com ecologia e sustentabilidade que temos hoje.

Valorização de um imóvel que passou por retrofit

É difícil mensurar o valor que um patrimônio histórico, cultural ou sentimental tem para cada pessoa e cada comunidade. Quanto vale o prédio do Museu do Ipiranga? Quanto vale o casarão da Família Penteado? Não estou falando do valor do terreno e benfeitorias, isto qualquer corretor pode avaliar, estou me referindo ao valor sócio-cultural, à simbologia embutida em edificações que por um motivo ou por outro fizeram parte da história. Além deste valor imaterial, um imóvel que estava deteriorado e volta à ativa certamente tem sua valorização, em muitos casos o valor do imóvel em si será maior do que se fosse um imóvel totalmente novo, que ainda não tem uma história ligada a ele. Se o retrofit for bem feito, o edifício passa a concorrer de igual para igual, em termos de adequação, a qualquer edifício novo. É a mesma coisa que acontece no mercado de arte, dois quadros igualmente bem feitos, em termos técnicos, terão valores totalmente distintos só porque um deles foi feito por um pintor famoso ou por ter uma história ligada à ele.

Ao retrofitar um imóvel é preciso manter sua originalidade arquitetônica?

Isto vai depender do valor que tiver a originalidade arquitetônica. Se for um edifício tombado pelo patrimônio histórico a originalidade precisará ser mantida ao máximo possível, mas se o edifício estiver muito deteriorado ou se não for uma obra tombada então a originalidade arquitetônica não precisará ser mantida tão intacta, apenas o suficiente para tirar proveito estético, sentimental e histórico do antigo edifício. Pode-se, por exemplo, preservar alguns elementos como paredes, portões e jardins, enquanto o resto será modernizado, ou então, pelo lado oposto, se for para preservar ao máximo, pode-se restaurar o edifício histórico e adicionar-se um outro bloco a ele, com arquitetura moderna porém que seja compatível e que valorize o antigo. Neste caso, existem dois caminhos possíveis a serem tomados: as partes novas podem seguir o mesmo estilo do antigo, ou então as partes novas devem ser tão diferentes do antigo que fique bem claro o que é novo e o que é antigo, claro, sempre respeitando padrões estéticos e funcionais do novo edifício, que precisará atender às novas funções que passará a abrigar.

A princípio, qualquer edificação pode ser modificada segundo os princípios do retrofit. A questão é determinar-se exatamente quais são os objetivos, ou seja, se é importante manter a história e estilo do local, se é um prédio tombado ou não, se é interessante economicamente, se existem objetivos de sustentabilidade a serem alcançados e por aí afora. Devo deixar bem claro que qualquer construção precisa ser planejada, projetada nos mínimos detalhes, para poder fazer um cronograma fisico-financeiro correto. E isto é tão mais verdadeiro quando se cogita do retrofit, pois além dos cuidados normais em qualquer projeto e construção é preciso avaliar a história do edifício, seu valor sentimental, as técnicas usadas na construção, o entorno, sua implantação urbana e a disponibilidade de recursos na região que permitam recuperar o que se foi perdido ao longo dos anos. Ou seja, num retrofit, ainda mais do que numa construção qualquer, a pesquisa, o projeto e o planejamento devem ser muito mais apurados, cuidados e detalhados.

Profissionais necessários para retrofit

É preciso alguma especialização do profissional para retrofitar? Com certeza. Não só o arquiteto mas também o responsável pelas obras deve ter amplo conhecimento de como usar não só as técnicas modernas mas também as antigas, da época da construção do edifício original. É preciso conhecer também a parte histórica e social relacionada ao edifício, ao seu uso e ao valor que ele tem para a cidade e para a comunidade local. É fácil perceber que um profissional assim qualificado não surge de uma hora outra, são muitos anos de estudo e experiência para formar um arquiteto que conheça as técnicas atuais, e mais alguns anos para que ele esteja qualificado para dirigir ou participar de uma equipe de retrofit. Posso dizer que é muito mais fácil começar uma obra nova, do zero, do que reaproveitar um edifício antigo, principalmente se estiver tiver valor histórico. Qualquer reforma é mais complicada do que uma obra nova, e no caso de edifícios antigos, onde a idéia é preservar, a tarefa torna-se mais difícil.

Em suma...

O Brasil é um país que tem características específicas. Ao meu ver, estamos retrocedendo nos quesitos educação, saúde e segurança, atividades ligadas diretamente ao estado. Mas, por outro lado, existe uma classe média e alta que tem freqüentado habitualmente outros países, em especial Estados Unidos e Europa, sem falar que existe uma elite cultural cada vez maior, globalizada e bem informada. Desta forma, o que tenho percebido é que, independentemente da precariedade dos serviços públicos, aos poucos está se criando uma mentalidade propícia a valorizar os bens culturais e naturais. Neste aspecto, o retrofit é uma ferramenta adequada a preservar e revitalizar nossas cidades, tão sofridas com contínuos desmandos públicos que resultam no caos urbano que estamos vivendo. Eu acho que a consciência do retrofit já existe e, portanto, na medida que formos formando profissionais especializados e o governo ajudar ao invés de atrapalhar quem deseja preservar um patrimônio, então o retrofit será cada vez mais utilizado.

O brasileiro tem muito em mente a figura da “reforma” de edificações. É comum as pessoas reformarem suas casas, os governos reformarem as obras públicas e as empresas reformarem suas sedes. Se estas reformas forem melhor dirigidas, boa parte delas poderia deixar de serem simples reformas e incorporarem conceitos do retrofit. Todo mundo poderia beneficiar-se desta mudança de paradigma.

Publicado em 02/04/2008 às 09:47 hs, atualizado em 01/07/2016 às 10:49 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 4 ARTIGOS SOBRE :
Dicas básicas para um edifício sustentável
As dificuldades no reuso de materiais de construção
O que é Arquitetura sustentável?
Origens da sustentabilidade em arquitetura

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da arquitetura, engenharia e construção e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.