[Thecnica Sistemas de Treinamento] Quanto o arquiteto ou designer deve cobrar um acompanhamento de obra? 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Boletins   Anuncie   Quer colaborar?   Dúvidas e respostas  
Google

Você está aqui: Home » Dica sobre sobre Profissão e carreira
Artigo (veja mais 14 artigos nesta área)

Quanto o arquiteto ou designer deve cobrar um acompanhamento de obra?

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos e equipe

Questão colocada pelo leitor

Sou designer de interiores e frequentemente os clientes pedem para que eu acompanhe a execução das obras e do mobiliário. Trabalho já há alguns anos e tenho uma certa prática para dar preço nos meus projetos, mas confesso ter dificuldade em saber o quanto cobrar para acompanhar obras. Geralmente é o cliente que faz as compras e contrata os fornecedores, depois fica querendo que eu fique pressionando o pessoal para entregar, querem que eu vá brigar com eles porque o serviço não foi bem feito... Aliás, tem clientes que acham que eu tenho obrigação de acompanhar as obras, pelo fato de ter feito o projeto. Eu até costumo dar uma olhada nas obras, por minha conta, porque não gosto de criar caso, mas não me parece que tenho exatamente a obrigação de fazer isto.

Enfim, o que vocês poderiam recomendar em casos assim? Quanto devo cobrar? Outra coisa, se não fui eu que contratou o fornecedor, será que eu posso ir lá cobrar a entrega? Ah sim, mais uma coisa, tem clientes que pedem que eu indique os fornecedores, daí eu fico numa saia justa porque não gosto de cobrar “RT” (comissão) deles, mas também não quero entregar assim, gratuitamente, quais são os fornecedores que eu tenho e que demorei tanto para selecionar e saber quem é bom ou não é... Socorro!


Nossa respostaSão várias as perguntas colocadas, vamos por partes. Em primeiro lugar é preciso entender o que exatamente é um acompanhamento de obras. Em termos técnicos, conforme mostramos no artigo “Tipos de contrato: fiscalização, administração, empreitada e variações” publicado na Revista PeC nº 1, o correto seria dizer que esta é uma “Fiscalização” de obra, uma vez que as contratações ficam todas por conta do cliente. Na fiscalização o profissional vai até a obra para realizar uma espécie de consulta técnica, vai analisar o que está sendo feito, verificar se está de acordo com o projeto, com as normas e as leis, e vai apresentar o relatório para seu contratante. Cabe a este último tomar as devidas providências, e não ao arquiteto ou designer que faz a fiscalização. Este não tem a menor responsabilidade por cobrar o fornecedor, uma vez que não foi ele que contratou e, portanto, não sabe o que foi combinado ou contratado. Seria um intruso nesta relação.

Outro fator a ser destacado é que projeto e fiscalização de obras são dois fornecimentos independentes. Até podem ser contratados juntos, em um só pacote, mas isto não é a regra e muito menos a norma ou lei. Não é porque alguém fez um projeto que automaticamente deve fazer a fiscalização, a não ser aquela estritamente necessária para preservar seus direitos e para garantir que a obra esteja sendo feita de acordo com o projetado. Mas, a princípio, vai entrar na obra apenas para verificar isto, não tendo qualquer obrigação perante o cliente ou aos fornecedores. Só vai se manifestar se algo estiver saindo em desacordo com o projeto ou a técnica correta.

Em relação à cobrança, é como explicamos na resposta anterior, ou seja, no fundo o que conta é o tempo que o profissional vai gastar no atendimento, somado também às despesas de deslocamento de seu escritório até o local e vice-versa. Pode-se combinar um valor por hora-técnica ou então por visita. Não existe uma regra para casos assim.

Quanto ao fato do cliente pedir para o arquiteto “dar uma bronca” nos fornecedores, é algo que foge totalmente ao escopo do seu fornecimento. Quem tem que fazer isto é o contratante, no caso, o cliente, pois ele é que sabe o que foi combinado, ele que fez o contrato e, portanto, ele é que deve tomar as devidas medidas para que o fornecedor cumpra o contrato. A ação do arquiteto, designer ou decorador só é obrigatória se ele é que estiver administrando a obra, ou seja, em outra modalidade de contrato.


Publicado em 03/04/2018 às 17:58 hs, atualizado em 09/04/2018 às 10:41 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 14 ARTIGOS SOBRE :
Qual o melhor tipo de contrato para o arquiteto ou designer executar obras? Fiscalização, administração ou empreitada?
Quanto cobrar num projeto de reforma de uma edificação?
Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?
O arquiteto na administração de obras: vamos unir o útil ao agradável!
O que fizeram ao nosso país? Será que a saída da presidente Dilma vai melhorar alguma coisa?
O que devo fazer numa visita técnica a uma construção que estou fiscalizando?
O que é uma consultoria e como vender isso?
Como lidar com os clientes que não pagam?
Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário
Porque o arquiteto deve fazer a administração de obras
Espanhol cresce como ferramenta de trabalho
Perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego(3/3)
Procedimentos em uma entrevista de emprego (2/3)
Preparando-se para uma entrevista de emprego (1/3)

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da arquitetura, engenharia e construção e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.