[Thecnica Sistemas de Treinamento] Qual o melhor tipo de contrato para o arquiteto ou designer executar obras? Fiscalização, administração ou empreitada? 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Boletins   Anuncie   Quer colaborar?   Dúvidas e respostas  
Google

Você está aqui: Home » Dica sobre sobre Profissão e carreira
Artigo mais recente (veja mais 14 artigos nesta área)

Qual o melhor tipo de contrato para o arquiteto ou designer executar obras? Fiscalização, administração ou empreitada?

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos e equipe

Questão colocada pelo leitor

Trabalho com decoração de interiores, mas tenho clientes que atendo há anos e eles agora estão querendo construir, ao invés de só decorar e reformar. Tenho até uma certa prática no ramo de obras de decoração, mas quando se trata de fazer uma construção nova, inteira, começando do zero, eu fico um pouco inseguro em saber quanto posso ou devo cobrar. Nos trabalhos de decoração, geralmente faço o projeto e também acompanho a obra. O cliente me paga uma parte, pelo projeto, e outra parte eu pego direto com as lojas em forma de “RT”. Não sei se este mesmo esquema se aplica a uma obra nova, tenho colegas que trabalham assim, mas não sei como fazer para cobrar.


Nossa respostaConforme dito aqui mesmo nesta seção do site, na Revista PeC nº 1 está o artigo “Tipos de contrato: fiscalização, administração, empreitada e variações” que esclarece as formas pelas quais um arquiteto, decorador ou designer pode participar de uma construção. Mesmo tendo lido o artigo, a dúvida do leitor é compreensível porque no ramo da decoração muitas vezes se adota contratos mistos, onde o projeto se confunde com a obra e com as comissões recebidas das lojas. Este mesmo esquema até poderia ser levado para uma construção inteiramente nova, mas existem formas mais adequadas, ao meu ver.

Segundo nosso ponto de vista, não é aconselhável trabalhar com “RT”, a comissão que as lojas reservam para os arquitetos e decoradores. Oportunamente vamos publicar um artigo explicando em detalhes esta nossa posição, mas em termos gerais trata-se do seguinte: entendemos que o arquiteto, decorador, designer e outros profissionais similares trabalham em prol do cliente, e não da loja. Quem administra uma obra deve controlar os fornecedores, para que cumpram rigorosamente o que foi combinado, e a melhor arma para fazer isto é segurar os pagamentos. Só pagar aquilo que foi efetivamente entregue e que esteja de acordo com o combinado. No entanto, se o profissional está sendo comissionado pela loja, que moral teria de segurar o pagamento do seu “parceiro”? Em minha opinião, se a pessoa quiser receber comissões de uma loja, então que se apresente como vendedor ou representante da loja, e não como alguém que, teoricamente, deveria defender os interesses de seu contratante perante a loja, ao invés de, escondido, receber comissões da loja. Em todo caso, é uma decisão estritamente pessoal, depende de cada um. Existem arquitetos que vivem de “RT” e precisamos respeitar esta decisão, mesmo que seja, a nosso ver, imoral e ilegal. Penso que é melhor ser transparente com o cliente, se a loja deu alguma comissão esta deve ser revertida em prol do cliente, e não do profissional. Se o cliente concordar, entretanto, o profissional pode ficar com a comissão da loja, abatendo ou não de seus honorários, conforme for combinado com o cliente.

Em resumo, portanto, o que podemos aconselhar ao colega é que escolha a melhor forma de trabalhar, conforme o artigo citado (fiscalização, administração, empreitada, preço-alvo, etc.) e cobre exclusivamente do cliente, deixando o “RT” para outras ocasiões. Em relação ao valor a cobrar, lembre-se de que no fundo os profissionais autônomos vivem de vender seu conhecimento medido em horas trabalhadas, então é tudo uma questão de saber quanto custa sua hora-técnica, avaliar quantas horas vai precisar para dar conta do serviço e chegar assim no valor do trabalho.


Publicado em 03/04/2018 às 18:10 hs, atualizado em 03/04/2018 às 20:06 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 14 ARTIGOS SOBRE :
Quanto o arquiteto ou designer deve cobrar um acompanhamento de obra?
Quanto cobrar num projeto de reforma de uma edificação?
Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?
O arquiteto na administração de obras: vamos unir o útil ao agradável!
O que fizeram ao nosso país? Será que a saída da presidente Dilma vai melhorar alguma coisa?
O que devo fazer numa visita técnica a uma construção que estou fiscalizando?
O que é uma consultoria e como vender isso?
Como lidar com os clientes que não pagam?
Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário
Porque o arquiteto deve fazer a administração de obras
Espanhol cresce como ferramenta de trabalho
Perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego(3/3)
Procedimentos em uma entrevista de emprego (2/3)
Preparando-se para uma entrevista de emprego (1/3)

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da arquitetura, engenharia e construção e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.